Últimas notícias de economia, política, carros, emprego, educação, ciência, saúde, cultura do Brasil e do mundo. Vídeos dos telejornais da TV Globo e da GloboNews.
VÍDEOS: Jornal Anhanguera 1ª Edição de sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Veja todos os vídeos do telejornal. Veja todos os vídeos do telejornal.
Fri, 14 Aug 2020 15:49:34 -0000
Queiroz não comprovou saúde debilitada e tentou destruir provas, diz ministro do STJ
Félix Fischer revogou prisão domiciliar e mandou ex-assessor de Flavio Bolsonaro voltar para a cadeia. O ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça, afirmou que não há elementos que comprovem que Fabrício Queiroz atualmente enfrente um estado de saúde extremamente debilitado e que a "única medida apropriada” para o caso é a prisão preventiva. Esse foi um dos elementos apresentados pelo ministro para revogar a prisão domiciliar do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro e de sua mulher, Márcia Aguiar. Segundo Fischer, há indicações de que o casal articulou e trabalhou arduamente, em todas as frentes, para impedir a produção de provas e/ou realizar a adulteração/destruição destas". "São inúmeros os trechos que, em tese, identificam uma verdadeira organização, com divisão de tarefas e até mesmo certa estrutura hierárquica (os pacientes obedeciam a diretrizes de pessoa indigitada de “ANJO”, um “superior hierárquico”)", afirmou o relator. Na decisão que determinou o retorno do casal à prisão, Fischer citou as ações que atrapalharam a investigação: - testemunhas e investigados foram instruídos a não prestar declarações de forma "eficaz". - há relatos de adulteração de folhas de ponto de servidores que estariam em atuação irregular na ALERJ. "As manobras acima transcritas, para impedir a própria localização/rastreamento pela polícia, saltam aos olhos".
Fri, 14 Aug 2020 15:48:40 -0000
Novo cronograma do concurso da prefeitura de Cabedelo, PB, é divulgado

Prefeitura Municipal de Cabedelo, PB Reprodução/TV Cabo Branco Foi divulgado nesta sexta-feira (14) o novo cronograma do concurso para a prefeitura de Cabedelo, na Região Metropolitana de João Pessoa, que estava suspenso desde março, por causa da pandemia de Covid-19. O concurso oferece 276 vagas e foi suspenso poucos dias antes da realização da 2ª etapa da prova escrita. Veja novo cronograma do concurso de Cabedelo Veja edital do concurso de Cabedelo Conforme o novo calendário, a data provável para a realização das provas objetivas dos cargos pendentes vai ser no dia 4 de outubro. Já o resultado preliminar das provas da 1ª e da 2ª etapa vai sair no dia 20 de outubro. O resultado final do concurso está previsto para 12 de novembro.
Fri, 14 Aug 2020 15:47:32 -0000
Covid-19: catadores de recicláveis de Campinas protestam para pedir volta da coleta seletiva e ajuda financeira

Cooperativas estão sem operar desde 27 de março, quando repasse de materiais aos galpões foi suspenso devido à pandemia. Trabalhadores relatam dívidas e pedem auxílio da prefeitura. Cooperados de usinas de recicláveis de Campinas protestam pelo retorno das atividades Trabalhadores das 12 cooperativas de reciclagem que atuam em Campinas (SP) protestaram em frente ao Paço Municipal nesta sexta-feira (14) para pedir a volta da coleta seletiva e uma ajuda financeira por parte da prefeitura durante a pandemia. A manifestação foi pacífica e terminou por volta de 9h, de acordo com a administração municipal. A coleta de materiais está suspensa em Campinas desde o dia 27 de março. Com a situação, os catadores deixaram de receber os itens que reciclavam e tiveram de paralisar as atividades nos galpões. Alguns conseguiram recorrer ao auxílio emergencial do Governo Federal, enquanto outros ficaram sem renda. "Nós [da Cooperativa Remodela] somos em 16 famílias que dependem da reciclagem. Alguns conseguiram a ajuda de R$ 600, mas não é suficiente para pagar as contas. É uma situação que gera estresse, tem muitos catadores deprimidos", relata o coordenador da Remodela, José Carlos Souza. Catadores durante protesto; categoria pede volta ao trabalho e ajuda financeira da Prefeitura Reprodução/EPTV O valor da ajuda financeira que os trabalhadores pedem para a prefeitura não foi especificado. De acordo com Souza, os catadores precisam de uma quantia suficiente para pagar as contas domésticas e, no caso da Cooperativa Remodela, os custos do galpão, já que a organização paga aluguel do depósito que utiliza. "Estamos devendo cerca de R$ 18 mil de aluguel, não temos como pagar. Enviamos para a prefeitura o comprovante do valor que devemos, porque queríamos uma ajuda para quitar, mas isso não aconteceu e nem vai acontecer", diz Souza. Outras reivindicações Além da volta da coleta seletiva e da ajuda financeira por parte da prefeitura, os catadores aproveitaram a manifestação para reivindicar a legalização das cooperativas. Das 12 organizações de reciclagem existentes em Campinas, apenas duas estão legalizadas. De acordo com Souza, outro agravante é que as duas cooperativas contratadas pela prefeitura não recebem o valor de R$ 38 mil, previsto em contrato, há cerca de três meses. "Tem cooperativas que mandam os documentos que a prefeitura pede para a legalização há anos, e eles sempre dizem que falta alguma coisa. A verdade é que não existe vontade política de contratação por parte deles [administração]. Além disso, as duas cooperativas contratadas não estão nem recebendo o valor do contrato", diz Souza. Manifestante pede contratação de todas as cooperativas de reciclagem de Campinas pela Prefeitura Reprodução/EPTV O que diz a prefeitura? Sobre a retomada da coleta seletiva, o secretário de Serviços Públicos de Campinas, Ernesto Paulella, informou que há a intenção, por parte da administração municipal, de que as atividades voltem a acontecer entre os dias 1º e 15 de setembro. Isso porque a prefeitura precisa de um prazo para se adequar às normas de segurança recomendadas pelo Ministério Público para o trabalho dos catadores durante a pandemia. No período, o lixo reciclável deve continuar sendo descartado pela população junto do orgânico. Sobre a legalização das cooperativas, Paulella confirmou que duas estão legalizadas e outras dez estão em processo de adequação acompanhado pelo Ministério Público. Com relação à denúncia feita por Souza sobre a suspensão do pagamento às cooperativas legalizadas, o secretário diz que as companhias que já estão contratadas continuam recebendo o valor mensal de R$ 38 mil durante a pandemia, apesar da paralisação. Já sobre a ajuda financeira pedida pela categoria, o secretário informou que os trabalhadores das dez cooperativas ainda não legalizadas receberam da prefeitura uma cesta básica no valor de R$ 170 e que algumas pessoas têm o Cartão Nutrir. Paulella, no entanto, não soube precisar quantas delas. Infográfico mostra quais são os erros e acertos ao usar a máscara G1 Veja mais notícias da região no G1 Campinas
Fri, 14 Aug 2020 15:47:31 -0000
Estação que mede qualidade do ar em Ribeirão Preto está inativa há quase 5 meses após furto de fiação

Cetesb informou que deve restabelecer funcionamento na próxima semana com abertura do Parque Maurílio Biagi. Clima seco e queimadas deixam cidade em alerta. A estação que mede a qualidade do ar em Ribeirão Preto (SP) está há quase cinco meses inativa. O equipamento, localizado dentro do Parque Maurílio Biagi, deixou de ser utilizado em março, quando ladrões furtaram a fiação elétrica no local. A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) informou que espera a reabertura do parque para repor os cabos na próxima semana. Embora não seja possível apontar números, os moradores de Ribeirão Preto reclamam que, nos últimas dias, a qualidade do ar piorou com a baixa umidade, que está em alerta desde o final de junho, chegou a 23% na quinta-feira (13) e deve se manter abaixo dos 30% nesta sexta-feira (14). Equipamento que mede a qualidade do ar em Ribeirão Preto (SP) Reprodução/EPTV O período marcado pela falta de chuvas - são 66 dias até esta sexta-feira (14) - e por alta nas temperaturas vem acompanhado do acúmulo de queimadas na região. De acordo com o Corpo de Bombeiros, são de 20 a 30 ocorrências por dia na cidade. "Este ano já estamos com uma média de mais de 500 incêndios nesse ano todo. O Corpo de Bombeiros criou um plano de contingência para que a gente possa dar maior vazão a esse atendimento de ocorrências", afirma o capitão Gustavo Henrique Rissato. Segundo a professora de química da USP Lúcia Campos, o principal alerta é com relação às pequenas partículas, que podem causar complicações à saúde. "As grandes não são um grande problema, aquela fuligem que a gente vê, que a gente não gosta, que suja, essa é o menor dos problemas. O problema é da partícula fininha, aquela que às vezes a gente nem vê. Essa partícula fininha não fica retida como as mais grossas. Ela vai entrando no pulmão e chega à corrente sanguínea. E quando chega à corrente sanguínea ela pode se dissolver e se espalhar pelo corpo", diz. Ribeirão Preto (SP): tempo seco e queimadas pioram qualidade do ar na cidade Reprodução/EPTV Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca
Fri, 14 Aug 2020 15:47:16 -0000
Polícia Civil pede prorrogação da prisão temporária dos investigados na operação 'Malebolge'

Polícia representou para eles sigam presos por mais cinco dias e informou que é imprescindível para o prosseguimento dos trabalhos. Polícia Civil pediu afastamento de três servidores em Araxá Polícia Civil/Divulgação A Polícia Civil representou pela prorrogação da prisão temporária dos investigados que foram presos na operação "Malebolge" por mais cinco dias. A ação foi realizada na segunda-feira (11) e resultou na prisão de cinco funcionários da Prefeitura, entre eles a ex-secretária de Governo, Lucimary Ávila. A Polícia apura suposto desvio de recursos públicos do Executivo, lavagem de dinheiro, corrupção, falsidade ideológica, organização criminosa. Investigação O pedido ocorreu após os interrogatórios desta quinta-feira (13). A polícia informou que a prisão dos investigados é imprescindível para o prosseguimento dos trabalhos, pois outros servidores serão ouvidos. Nas oitivas, os investigados, acompanhados por advogados e dois promotores de Justiça, permaneceram em silêncio. Uma investigada optou pela negativa geral. Os advogados dos suspeitos argumentaram que não tiveram acesso aos autos. De acordo com o delegado responsável pela investigação, Renato Alcino, os advogados receberam autorização judicial para acessar o inquérito, mas não procuraram na unidade policial. De acordo com a Polícia Civil, a possibilidade de marcação de outro interrogatório é avaliada. Nos próximos dias, outras 17 pessoas serão ouvidas, a maioria servidores municipais. Afastamento A Polícia Civil em Araxá pediu o afastamento de três servidores públicos do município nesta quarta-feira (12). A Polícia informou ainda que houve manifestação positiva do Ministério Público (MP) e o pedido foi encaminhado à Justiça Eleitoral. A Polícia apura suposto desvio de recursos públicos do Executivo, lavagem de dinheiro, corrupção, falsidade ideológica, organização criminosa. Os nomes dos funcionários afastados não foram informados pela polícia, mas o delegado Renato Alcino disse que entre eles está um secretário em exercício. O G1 solicitou uma nota de posicionamento da Prefeitura, mas não obteve retorno até o fechamento da reportagem. Nesta quinta-feira (13), o G1 tenta contato com o advogado de Lucimary Ávila para saber se ela gostaria de se posicionar sobre o assunto. Delegado detalha Operação ‘Malebolge’ que resultou em cinco prisões por suposto desvio de recursos públicos em Araxá Outros pedidos Além do afastamento da função pública, foi feito o pedido de outras duas medidas. Entre elas está a proibição de aproximação de órgãos públicos municipais por parte dos afastados e eles também não podem ter contato com outros servidores públicos. A Polícia Civil aguarda o parecer para então prosseguir com o afastamento. Presos prestam depoimento As apurações envolvendo servidores públicos do município de Araxá estão em andamento e todas as medidas legais cabíveis estão sendo adotadas. Nesta quinta-feira, os cinco presos que estão detidos no presídio de Sacramento foram ouvidos na delegacia da cidade. O delegado Renato Alcino informou ainda que vai pedir a prorrogação da prisão preventiva dos envolvidos. Eles foram detidos na segunda-feira, durante a Operação “Malebolge”. Operação O delegado Renato Alcino concedeu uma entrevista coletiva na terça-feira (11) e deu detalhes da Operação "Malebolge" em Araxá, que terminou com cinco prisões por suposto desvio de recursos públicos e cumprimento de mandados de busca e apreensão na cidade. Apesar de a Polícia Civil não ter divulgado o nome dos investigados, entre os presos está a ex-secretária de Governo da Prefeitura, Lucimary Ávila. O advogado dela, Luiz Otávio, disse na ocasião para a TV Integração, que ainda vai tomar conhecimento da situação e, por isso, preferiu não se pronunciar. Quanto aos demais detidos, a reportagem não conseguiu as identidades dos mesmos até a última atualização desta reportagem. Veja também: Operação de combate a desvios de recursos públicos é realizada em Araxá De acordo com o delegado, além da ex-secretária que estava afastada das atividades para concorrer a cargo político, também foram presos o marido dela, que trabalhava na Secretaria de Fazenda, outro assessor que também atuava na pasta, e dois sócios de uma empresa de fornecimento de transporte por van, que também são suspeitos de participarem do esquema. O departamento jurídico da Prefeitura informou que o Município não tem conhecimento das investigações, já que elas são sigilosas. Disse ainda que está à disposição da Polícia fornecendo informações e documentos solicitados. Prefeitura informou que colabora com as investigações Polícia Civil/Divulgação Entenda o caso O Delegado Renato Alcino explicou na coletiva que as investigações estão em andamento para apurar uma licitação de uma empresa de transporte no município e deu detalhes do esquema. “Vencida a licitação, a secretária de Governo emitia ordem de serviço para que essa empresa realizasse viagens e, nesse sentido, depois da viagem supostamente realizada, eram emitidos relatórios. Feito isso, os valores eram transferidos por meio eletrônico para a empresa e essa empresa repassava parte para o grupo criminoso”, explicou. “Identificamos que havia naquelas circunstâncias determinadas execuções de viagens que não se concretizavam. A Polícia e a Prefeitura não encontraram indícios e nem elementos que comprovassem a execução das viagens indicadas”, completou. Bens apreendidos e bloqueados No total, dez imóveis foram alvos de cumprimento de busca e apreensão, 23 imóveis foram bloqueados nos sistemas de informação da polícia, 18 veículos apreendidos e 16 imóveis do grupo foram bloqueados, entre eles uma fazenda pertencente ao sócio da empresa. Foram bloqueados ainda valores e bens depositados em instituições financeiras, totalizando cerca de R$ 3 milhões, até o momento. Ainda foram apreendidos documentos, computadores, HDs e outros equipamentos eletrônicos para continuidade das investigações. Participaram da ação coordenada pelo delegado Renato Alcino, policiais civis da Delegacia de Trânsito em Araxá, com o apoio da Delegacia Regional de Polícia Civil em Araxá e supervisão do chefe de Departamento de Polícia Civil em Uberaba, Francisco Eduardo Gouvea Motta. Apoio na Operação A ação ainda teve o apoio do Poder Judiciário, por meio do Ministério Público (MP), do Ministério Público de Contas e também do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Os suspeitos detidos fizeram exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) de Araxá e foram conduzidos ao presídio de Sacramento, por questões de protocolo diante da pandemia de Covid-19.
Fri, 14 Aug 2020 15:45:34 -0000
Prefeitura de Franca, SP, exonera assessor de políticas públicas de saúde

Luiz Carlos Vergara deixa o cargo e a advogada Letícia Niebly de Paulo assume o lugar dele. Publicação foi feita no Diário Oficial do Município desta sexta-feira (14). O ex-coordenador de políticas de saúde de Franca, SP, Luiz Carlos Vergara Jefferson Severiano Neves/EPTV A Prefeitura de Franca (SP) exonerou Luiz Carlos Vergara do cargo de assessor de políticas públicas de saúde em publicação no Diário Oficial do Município nesta sexta-feira (14). Para o lugar dele, o prefeito Gilson de Souza (DEM) escolheu a advogada Letícia Niebly de Paulo. Entre 2017 e 2018 ela foi chefe de ouvidoria do Sistema Único de Saúde (SUS) do município. Neste ano, Vergara, que já foi secretário municipal a saúde de Franca entre 2002 e 2004, foi admitido como chefe da pasta em março. Menos de um mês depois, foi exonerado do cargo para assumir a assessoria de políticas públicas de saúde do município. Ele foi procurado pela reportagem, mas não atendeu às ligações. A Prefeitura não informou o motivo da mudança no comando do cargo. O G1 tentou, mas ainda não conseguiu contato com a nova assessora de políticas de saúde do município. Avanço A troca acontece no momento em que a cidade chega aos 2.342 diagnósticos positivos de Covid-19 e 53 óbitos por complicações da doença. No último boletim da Prefeitura, foram confirmados 67 novos casos na cidade. A região de Franca, sede do Departamento Regional de Saúde 8, está na fase vermelha do Plano São Paulo desde junho. É a etapa mais restritiva e que permite somente a abertura de serviços considerados essenciais. A Santa Casa do município opera com elevadas taxas de internação em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde julho, quando atingiu 100% de ocupação pela primeira vez. Como as taxas permaneceram altas, a Justiça proibiu a Central de Regulação e Oferta de Serviços de Saúde (Cross), do estado, de enviar pacientes com suspeita ou diagnosticados com a doença para internação na unidade. No fim de julho, o hospital pediu R$ 1,4 milhão à Prefeitura para abrir novos leitos. O valor foi pago e as vagas foram ampliadas para 27. Mas em agosto, mais pacientes em estado grave foram internados e a unidade voltou a operar com capacidade máxima. Nesta sexta-feira, de acordo com o último boletim da saúde de Franca, 25 dos 27 leitos de UTI estão ocupados. Por conta disso, um novo pedido de verba foi feito para a administração municipal e para a Secretaria de Estado da Saúde. Caso ocorra a ajuda, a Santa Casa pode colocar em funcionamento dez novos leitos de UTI até o fim do mês. Santa Casa de Franca, SP Jefferson Severiano Neves/EPTV Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca
Fri, 14 Aug 2020 15:44:58 -0000
Sete homens suspeitos de tráfico de drogas são presos durante operação policial na Bahia; carros foram apreendidos

Ação aconteceu nesta sexta-feira (13), em Bom Jesus da Lapa. Outro suspeito de envolvimento com grupo criminosa foi preso em Brasília. Grupo suspeito de tráfico de drogas foi preso durante uma operação da polícia na Bahia Divulgação/SSP Sete suspeitos de tráfico de drogas foram presos durante uma operação da polícia nesta sexta-feira (14), em Bom Jesus da Lapa, cidade do oeste da Bahia. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), um outro suspeito foi capturado em Brasília. Ainda de acordo com a SSP, a investigação foi iniciada em maio deste ano, quando o homem apontado como chefe da facção foi encontrado em João Pessoa (PB). Os envolvidos, que não tiveram a identidade revelada, distribuíam drogas e lavavam dinheiro comprando veículos e imóveis. Eles atuavam em Bom Jesus da Lapa e Brasília. Além disso, a SSP informou que a organização criminosa tem envolvimento com mortes violentas. Com os suspeitos, foram apreendidos arma, munições, drogas, dinheiro e veículos. Conforme a SSP, a ação ocorreu de forma conjunta entre as polícias civil da Bahia e do Distrito Federal. Veja mais notícias do estado no G1 Bahia. Grupo distribuía drogas e lavava dinheiro comprando veículos e imóveis Divulgação/SSP SSP informou que a organização criminosa tem envolvimento com mortes violentas Divulgação/SSP
Fri, 14 Aug 2020 15:44:47 -0000
Motorista de aplicativo encontrado morto na Grande Fortaleza foi baleado ao se recusar a passar para o banco traseiro, diz polícia
Grupo suspeito de matar Alexandre Fernandes foi preso; eles faziam desmanche de carros roubados e haviam atacado outros motoristas nos últimos cinco meses. Polícia prende suspeitos de participar da morte de motorista de aplicativo O motorista de aplicativo Alexandre Fernandes, 32, foi morto logo após o embarque de criminosos, que solicitaram uma corrida, ao se recusar a passar para o banco traseiro do veículo que conduzia, no Bairro Maraponga, em Fortaleza. Os cinco homens presos suspeitos de participar do assassinato de Fernandes fazem parte de uma quadrilha de desmanche de veículos. As informações foram divulgadas pelo Secretário da Segurança Pública, André Costa, na sede do Departamento de de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na manhã desta sexta-feira (14). De acordo com a Polícia Civil, Alexandre foi rendido pelos criminosos após eles solicitarem a corrida. Um segundo carro estava dando apoio à ação e ficou próximo ao local onde o motorista estacionou para buscar os criminosos. O motorista reagiu quando os criminosos exigiram que ele mudasse de lugar, tentando segurar a arma, e foi atingido por disparos de arma de fogo na cabeça e no tórax, dentro do veículo. Após atirarem na vítima, os suspeitos seguiram em fuga com o carro e o corpo de Alexandre. Ao chegarem em uma área de matagal próxima à BR-116, os criminosos abandonaram o corpo no local. Mais cedo, o secretário havia anunciado a prisão dos criminosos por meio das redes sociais. A Polícia Civil apreendeu com o grupo dois carros, um revólver e um bloqueador de GPS. Os homens envolvidos na morte de Alexandre também são suspeitos de roubarem outros motoristas de aplicativo em Fortaleza. Conforme o delegado, foram presos Luan Vitor Araújo da Silva, 22 anos e Lucas Monteiro de Freitas, 21 anos, suspeitos de estar no local do crime; Bruno Alisson Sousa, 24, com antecedentes criminais por homicídio, roubo e tráfico de drogas, apontado como articulador do grupo e responsável por planejar as ações criminosas; Helry Monteiro Araújo, 37, com passagens por homicídio e porte ilegal de arma, que, segundo apurações da polícia, teria fornecido o veículo que deu apoio ao crime e escondido o primo Luan; e Vinícius Mahon Paiva, 26, suspeito de comprar os produtos roubados pelo grupo e revendê-los em uma loja de automóveis na Capital. Alexandre foi encontrado dois dias depois do desaparecimento, com machucados pelo corpo e com as mãos amarradas, no Km 30 da BR-116, em Aquiraz, município da Grande Fortaleza. (Veja na reportagem abaixo) Motorista de aplicativo desaparecido é encontrado morto na BR-116 A família de Alexandre Fernandes disse que quer realizar a cremação do corpo e entregar as cinzas aos pais dele, no Paraná, estado de origem da vítima. A Defensoria Pública do Estado do Ceará (DPCE) pediu na Justiça autorização para que o corpo do motorista seja cremado. Manifestação Na quinta-feira, motoristas de aplicativos organizaram uma carreata exigindo mais segurança para realizar o trabalho de transporte de passageiros.A manifestação ocorreu um dia depois do achado do corpo de Alexandre Fernandes, de 32 anos, cujo último contato com a mulher aconteceu enquanto realizava uma corrida no Bairro Mondubim. Motorista de aplicativo desaparecido em Fortaleza desde segunda-feira é encontrado morto Motorista de app encontrado morto deve ser cremado no Ceará, e cinzas serão entregues aos pais no PR Segundo a Associação de Motoristas de Aplicativo (Amap), já são 11 condutores de aplicativos mortos durante o trabalho em 2020 em Fortaleza e na Região Metropolitana. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), uma comissão com sete representantes de motoristas de transporte de passageiros por aplicativos foi pela coordenadora de Planejamento Operacional da SSPDS, delegada Adriana Arruda, na noite desta quinta-feira (13). Motoristas de aplicativo fazem protesto por mais segurança, em Fortaleza A Pasta também informou que os profissionais de segurança já haviam intensificado as abordagens aos veículos que são identificados como oriundos de aplicativo e que estejam transportando pessoas. "A SSPDS esclarece que acompanha os casos que são registrados contra motoristas de aplicativo e mantém um diálogo constante com os representantes da classe, no intuito de traçar ações de segurança voltados aos profissionais e passageiros", finalizou a Pasta. Empresas de aplicativos O G1 entrou em contato com a Uber, 99 e inDriver, três empresas de transporte de passageiros por aplicativo usada por Alexandre Fernandes para trabalhar. Por meio de nota, a 99 informou que lamenta a morte do motorista de aplicativo Alexandre Fernandes "e esclarece que o condutor não estava em corrida pelo aplicativo no momento da ocorrência". A Uber, por sua vez, lamentou a morte de Alexandre. "Compartilhamos nossos sentimentos de mais profundo pesar com a família do Alexandre neste momento de dor." A empresa também informou que Alexandre atuava como motorista parceiro, "mas ao que tudo indica pelas informações obtidas, não estava usando a nossa plataforma no momento do crime. De qualquer forma, a Uber permanece à disposição dos órgãos de segurança para colaborar com as investigações, na forma da lei, e esperamos que as autoridades tragam os responsáveis à justiça o mais rápido possível." A empresa inDriver, onde Alexandre também possuía cadastro, lamentou a morte e informou que a filosofia de serviço da empresa coloca a segurança de todos os usuários em primeiro lugar, tanto passageiros quanto motoristas. "Na inDriver, condenamos qualquer tipo de violência. Reiteramos ainda nosso compromisso de colaborar com as autoridades, e dar suporte à família. O inDriver busca cotidianamente os melhores e mais modernos formatos de segurança para seus usuários, sejam motoristas ou passageiros".
Fri, 14 Aug 2020 15:42:29 -0000
Moradores 'interditam' rio Gurupatuba em protesto que cobra melhorias em estrada de Monte Alegre, no Pará

Manifestação se soma à interdição da Avenida Sapucaia, na Região de Pariçó, que já dura quatro dias. Moradores 'bloquearam' o rio com empurrador e balsas carregadas com seixo. Moradores 'interditam' rio Gurupatuba em protesto que cobra melhorias em estrada de Monte Alegre, no Pará Édipo Xavier/Divulgação Os moradores da vila Pariçó, em Monte Alegre, no oeste do Pará, chegaram ao quarto dia de manifestação que cobra pavimentação na Avenida Sapucaia, importante via da região. Além de interdição de uma estrada desde terça-feira (11), nesta sexta-feira (14) o grupo bloqueou com um empurrador e balsas carregadas com seixo o fluxo de embarcações no Rio Gurupatuba. O bloqueio aconteceu em frente à vila. "Interditamos o Rio Gurupatuba que é a única alça viária que dá acesso de entrada e saída de Monte Alegre. Essa interdição se dá por conta dessa paralisação na via terrestre", informou o líder comunitário Édipo Xavier. Em Monte Alegre, estrada da região de Pariçó segue interditada por moradores Ainda conforme Édipo, as embarcações usadas na interdição são de uma empresa privada e estavam aportadas na vila. "Nós moradores tomamos posse dessa embarcação e estamos utilizando ela na interdição", completou. Os manifestantes pedem a presença de representantes dos governos municipal e estadual. Entretanto, até o momento, nenhum foi até o local de manifestação negociar as reivindicações. Ao G1, a prefeitura de Monte Alegre informou que ia se manifestar sobre o caso. Segundo os manifestantes, há uma comissão disposta a conversar com os representantes do governo. Interdição na estrada A Avenida Sapucaia liga o porto ao frigorífico que abastece a cidade. E de acordo com os moradores, é uma importante via por onde passam veículos pesados que são usados na exportação de madeira, minério de brita, seixo, entre outros. Ela foi interditada na terça-feira por moradores que montaram acampamento na área. Além de reivindicar a pavimentação da Avenida, o movimento ressaltou que há várias irregularidades na retirada das matérias-primas e no abate dos animais.
Fri, 14 Aug 2020 15:42:17 -0000

This page was created in: 0.01 seconds

Copyright 2020 Oscar WiFi

This website or its third-party tools use cookies, which are necessary to its functioning and required to achieve the purposes illustrated in the cookie policy. By closing this banner, scrolling this page, clicking a link or continuing to browse otherwise, you agree to the use of cookies. If you want to know more or withdraw your consent to all or some of the cookies, please refer our Cookie Policy More info